LEIA MAIS

...

Odontologia Sustentável – Entrevista – Pergunta 5

Odonto Magazine –Para que um estabelecimento de saúde alcance a sustentabilidade, é necessário levar em consideração os quatro pilares: econômico, ambiental, social e cultural. Quais são as atitudes esperadas para a promoção de uma Odontologia Sustentável?

Quando consideramos as questões de sustentabilidade, temos que concordar com a ex-ministra Marina Silva: “O desenvolvimento sustentável não é uma maneira de fazer, é uma maneira de ser.” A afirmação feita em 31/10/2011 num Fórum de Sustentabilidade, em São Paulo ainda é complementada com: o conceito amplo de sustentabilidade envolve sete dimensões – e não apenas as quatro descritas pela ONU. Além da sustentabilidade econômica, social, ambiental e cultural, incluiu-se a ética, a política e a estética.”

Considerando as sete dimensões podemos dizer que, do ponto de vista econômico é preciso transformar os recursos naturais, os bens e serviços produzidos em melhoria na qualidade de vida e sob este aspecto a Odontologia tem importante lugar no contexto geral, uma vez que sua função é essa.

No social, gerar oportunidades de saúde e bem estar a todos, dignificando a profissão e a vida das populações.

No aspecto ambiental, não abusar dos recursos naturais, respeitando o meio ambiente, evitando o consumo desnecessário e mantendo a possibilidade de uma vida digna e plena para as gerações futuras.

Nos critérios culturais, investir na renovação dos conhecimentos, aprender com os erros e acreditar que é possível a criação de produtos odontológicos que sejam menos tóxicos, extremamente eficazes e economicamente viáveis, além da necessária contribuição educacional.

Nas questões éticas, lembrar que somos seres que devem se importar uns com os outros. Respeito ao próximo e aos próximos que virão é condição básica para a sobrevivência da humanidade.

A profissão tem passado nos últimos anos por uma revolução tecnológica com a introdução no mercado, dos implantes, agentes clareadores, facetas laminadas e outros que compõem um arsenal terapêutico interessante para reconstruir um sorriso. Entretanto, assunto pouco discutido é a crescente voracidade pela venda de técnicas e tratamentos desnecessários, disputa de mercado e marketing enganoso.

Muitos querem fazer clareamentos. E, muitas vezes não há razão alguma para se fazer ou existem outras necessidades mais prementes. Mas, se o paciente quer… Quanto aos implantes a questão pode ficar pior. Até os anos 1950/1960 a idéia era de que não havia mais problemas em se perder os dentes, as próteses totais estavam ali para substituir. Mutilação e dentadura. Nos dias atuais, parece que a idéia voltou a reinar na sociedade: “não há problema em perder dentes, os implantes estão aí para resolver qualquer situação”. Mutilação e implantes. Onde ficou a prevenção? No século passado? Avançamos ou retrocedemos? É difícil não defender os implantes, especialmente com a força da mídia e da própria classe odontológica que encontrou um veio bastante interessante para arrecadar fundos num mundo tão competitivo. A pergunta que faço é: Os implantes são os salvadores da pátria? As indicações de implantes estão sendo seguidas a risca? Está se aplicando implantes em pacientes que realmente podem ter este tipo de tratamento? Quanto tempo os implantes colocados sobrevivem na boca? Qual o custo social da má aplicação desta técnica?

No caso da sustentabilidade política, gostaria de usar as palavras da própria Marina Silva: “Tem a ver com o que estamos fazendo aqui. Se os recursos naturais são finitos, nós temos que trabalhar no sentido de que cada vez se produza mais com um menor volume de recursos naturais. Não tem um salvador da pátria. Não será a Marina, não será a Dilma, não será o Obama. Seremos nós, que temos que assumir isso como um valor.”

Não é necessário que sejamos políticos para discutir políticas. Muitas vezes a política partidária é cega, surda e muda e pode ser “burra”; não nos deveria interessar se as propostas para um mundo melhor venham deste ou daquele partido mas, que venham.

Na estética, a manutenção da saúde bucal, através da aplicação de programas educativos, deveria ser o foco principal, um sorriso saudável é digno e altamente estético, enquanto que, a cor dos dentes pode não ter significado algum para a verdadeira saúde.

  • by drchaim
  • posted at 10:45
  • 14 de outubro de 2013